quinta-feira, 14 de novembro de 2013

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Última dica!


"Professores ideais são aqueles que se transformam em pontes e que convidam os alunos a cruzá-la, depois de ter facilitado sua passagem, com alegria e colapso, incentivando-os a criar pontes a partir de suas próprias atitudes." 
(Nikos Kazantzakis, escritor, poeta e pensador grego)



Deixamos aqui dicas de dois sites para ajudar a estimular a sua prática didático-pedagógica:

http://www.esoterikha.com/coaching-pnl/dinamicas-de-motivacao-para-empresas-sala-de-aula-professores-brincadeiras.php

http://espacoescolar.com.br/

Conclusão

Vamos fazer alguns links com os temas abordados em nosso blog para concluirmos com chave de ouro nosso aprendizado.

Entendendo o estresse como uma fonte alternadora de emoções e percebendo sua correlação direta com o processo de aprendizagem na escola, pode-se pensar nas seguintes relações:

O estresse, quando foge ao controle e prejudica o nosso desempenho, faz-nos perder o senso de ação e reação; com isso, ele não só nos altera psicologicamente como também fisiologicamente, ou seja, nosso sensopercepção (emoções, sensações, etc...) está modificado, deixando, assim, o indivíduo em seu verdadeiro limite. Temos a sensação do eterno cansaço.

Consequentemente, ao transpormos esse indivíduo, no papel de professor estressado, para sala de aula, percebemos a modificação do seu profissionalismo, alterando a sua motivação para ministrar as aulas e contagiar seus alunos com o fazer educativo. Além de tudo isso no ambiente de trabalho, com seus colegas, o professor (desmotivado) transforma-se em um "poluidor" de ambiente, já que dificulta o convívio com todos a sua volta.  

Tendo uma visão inversa, o estresse também tem seu lado positivo. Ele pode ser um catalizador de boas ações, estimulando a criatividade de ambas as partes envolvidas no processo de aprendizagem. Um professor motivado é um “estimulador” de boas relações, já que, ao ter seu equilíbrio emocional estável, ele prezará pela paz no ambiente, sabendo diferenciar as questões pessoais das profissionais.



"Um professor pode encontrar a eternidade, pois nunca poderemos determinar onde pára a sua influência sobre os alunos que um dia serão homens, gênios, inventores, sementes que germinaram pelas mãos de seus mestres." (Henry B. Adams)




quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Dica do dia!!




"Uma vez que a criança aprenda a aprender, nada pode estreitar sua mente. A essência do ensino é fazer da aprendizagem contagiosa para que contagie outros." 

(Marva Collins, educadora americana)



Tá com raiva? Vá meditar!!



É muito comum em uma situação como essa, e em tantas outras de nosso dia a dia, sentirmos raiva. Na maioria das vezes o excesso de estresse nos leva a ela: A RAIVA!!! Pelo nosso estado fora de controle, pela nossa sobrecarga de tarefas não conseguimos separar um do outro, contudo, muitas vezes, o fundo emocional do nosso colapso nervoso é a própria raiva. 


Artigo:
Artigo completo, da Revista Superinteressante, sobre a RAIVA!


 VERDADES E MENTIRAS SOBRE A RAIVA
 OS MITOS
 AS VERDADES
1) Reprimir a Raiva faz mal a saúde. A Raiva não expressa e não manifestada causaria outros danos psíquicos e mesmo orgânicos.
1) Sentir a Raiva, seja ela manifestada ou reprimida, SEMPRE causará danos ao organismo como um todo, física e/ou psiquicamente.

2) Deve-se botar tudo para fora, desenterrar a Raiva sepultada nas doenças psicossomáticas, na depressão, nos problemas familiares. Seria uma homenagem ao individualismo, haja o que houver.

2) Sábio o ditado “quem fala o que quer ouve o que não quer”. Quanto menos a pessoa tiver equilíbrio suficiente para conter os instintos e impulsos primários mais se aproxima dos animais.
3) Sou calmo e dócil, desde que ninguém mexa comigo. Sou do tipo “dou um boi para não entrar na briga e uma boiada para não sair dela”.
3) Isso não quer dizer absolutamente nada, calmo e dócil é a pessoa que se mantém assim, mesmo que os outros mexam com ela.
4) Aprendi a não levar desaforos para casa, não agrido mas respondo na mesma moeda. Afinal, “somos gente ou ratos?”
4) Quem se descontrola a ponto de deixar se dominar pelos instintos e impulsos, de fato, está muito mais próximo do rato (instintivo) que de gente.
5) Qualquer forma de liberação agressiva da Raiva, tal com berrar, morder, bater, quebrar, coloca o raivoso em contato com os seus sentimentos e essa atitude alivia o sentimento.
5) É mais provável que a agressão tenha, precisamente, o efeito oposto da catarse que se pretende e, ao invés de exorcizar a Raiva, inflama-a ainda mais.
6) O importante é ter a liberdade de expressar a Raiva para não se sentir mal com esse sentimento reprimido.
6) O importante é ter serenidade e controle suficientes para NÃO SENTIR RAIVA.
Fonte: http://www.psiqweb.med.br/site/?area=NO/LerNoticia&idNoticia=255

 PATOLOGIAS CARDIOCIRCULATÓRIAS AGRAVADAS PELA RAIVA
 Patologia
 Como
 Hipertensão Arterial
 Contração dos vasos sanguíneos
 Arritmias Cardíacas
 Estímulo simpático ou parassimpático
 Oclusão das Coronárias
 Aumento da agregação plaquetária
 Infarto do Miocárdio
 Por oclusão das coronárias
Fonte: http://www.psiqweb.med.br/site/?area=NO/LerNoticia&idNoticia=255


Curiosidade:
Por que ficamos brabos quando temos fome??? 
Extravasar a raiva faz bem????
Leia nesse link, da Revista Superinteressante, e descubra as respostas...
http://super.abril.com.br/blogs/como-pessoas-funcionam/tag/raiva/


Vídeo:
Aprenda, nesse vídeo, a meditar em 1 minuto e evite gastar energia incomodando-se com filas de supermercado, trânsito movimentado, lojas lotadas, etc..




RESPIRESORRIA e EXERCITE SUA PACIÊNCIA!!!



Como posso prevenir e controlar o ESTRESSE?

Seu organismo dirá quando o estresse estiver afetando sua saúde. Aqui estão algumas formas de ajudá-lo a lidar com o estresse:

  1. Relaxar: Cada pessoa tem a sua própria maneira de relaxar. Algumas incluem respiração profunda, yoga, meditação, massagem, etc. Se você não conseguir fazer essas coisas, tire alguns minutos para sentar, escutar uma música calma ou ler um livro.
  2. Ter tempo para si mesmo: É importante cuidar de si mesmo. Não importa o quanto você seja ocupado, você pode reservar pelo menos 15 minutos diários na sua agenda para fazer algo para si mesmo, e se você dispor de mais tempo, por que não fazer algo como tomar um banho quente numa banheira de espuma, caminhar, ir ao cinema, conversar com um amigo, enfim fazer algo que te dê prazer.
  3. Dormir: Por incrível que pareça, dormir é uma ótima forma de ajudar tanto o seu corpo quanto a sua mente. Quando dormimos o suficiente, estamos mais aptos a resolver nossos problemas e diminuir o risco de doenças. De acordo com pesquisas, o Sono tem a função de “recarregar nossas energias”, pois assim como o nosso corpo, o cérebro também precisa descansar. Tente dormir 8 horas a cada noite.
  4. Alimente-se corretamente: Tente comer frutas, vegetais e proteínas. Boas fontes de proteína podem ser manteiga de amendoim, frango e salada de atum. Coma grãos integrais e beba bastante líquido, como sucos de fruta, água de côco  além de muita água. Evite comidas e bebidas com alto teor calórico. Dê preferência aos sucos de frutas naturais.
  5. Movimente-se: A prática da atividade física não somente contribui para relaxar a musculatura tensa, como também melhora o seu humor ! Nosso cérebro fabrica certos elementos químicos chamados endorfinas, antes e depois do exercício físico. Eles aliviam o estresse em melhoram o humor.
  6. Tenha amigos: Ter amigos é importante, pois se você precisar desabafar sobre algum problema, um amigo pode te ajudar. Encontrar alguém que o deixará falar livremente sobre seus problemas e sentimentos faz muito bem. Isso também o ajuda a escutar outros pontos de vista. Amigos o lembrarão que não está sozinho. 
    Se precisar converse com um terapeuta ou psicólogo, que estes podem ajudá-lo a lidar com o estresse e encontrar melhores maneiras de encarar os problemas. A terapia pode ajudar em desordens mais sérias relacionadas ao estresse.
  7. Seja mais flexível: Algumas vezes não vale a pena o estresse da discussão. Se puder, seja mais flexível e ceda de vez em quando. Afinal, cada um vai ter uma opinião própria sobre um determinado assunto, e existem pessoas que são inflexíveis em suas opiniões, mesmo quando argumentamos e tentamos mostrar a lógica das nossas idéias, portanto, se a pessoa for inflexível, as vezes o melhor que podemos fazer, já que não vamos mudar o seu modo de pensar, é ao menos “escutar” esta pessoa e não “se estressar” com ela.
  8. Escreva seus pensamentos: Você já escreveu um e-mail para um amigo sobre seu dia conturbado e sentiu-se melhor depois disso? Por que não pegar papel e caneta e escrever o que está acontecendo em sua vida? Ter um diário pode ser uma ótima forma de expressar os seus problemas e também o ajudará a pensar em como resolver estes problemas. Depois você pode comparar as anotações antigas com as atuais e ver como os problemas foram resolvidos, o que te dará idéias para resolver futuros problemas e até a evitá-los! Porque não escrever artigos? Escrever é uma ótima maneira de expressar os nossos sentimentos!
  9. Ter um hobby: Encontre algo que goste de fazer e que te dê prazer.
  10. Tenha hábitos de vida mais saudáveis: Evite o fumo, bebidas alcoólicas em excesso,alimentação inadequada, enfim, procure ter hábitos de vida mais saudáveis, pois esses, além de serem ótimos para a nossa saúde também são um grande aliado contra o estresse.

O estresse e o bem-estar docente: Frases II

"O trabalho coletivo pode ser um movimento precioso, no qual, pela ação conjunta, política, solidária e integradora, sejam superadas as ansiedades, as inseguranças na profissão, o isolamento e a solidão na escola, o medo do fracasso, sentimentos que podem provocar paralisia e alienação."

"Diante da complexidade das práticas e do trabalho docente, compreende-se que o bem-estar e a permanência das professoras na profissão se ligam às possibilidades de elas atribuírem sentido ao trabalho que realizam."

"As fontes de estresse e bem-estar não se separam, mas se intercambiam, obrigando-nos a pensar na totalidade e nas contradições das práticas educativas, nos horizontes pessoais, sociais, culturais, políticos e históricos do fazer docente."

Frases retiradas do artigo: O estresse e o bem-estar docente de Andréia Cristina Rezende Rodrigues de Paula e Marisa Lomônaco de Paula Naves.